Arroz Preto

Arroz Preto – quais seus benefícios?


Qual a origem do arroz preto?

O arroz preto é cultivado na China há mais de 4 mil anos. Na China era considerado um produto afrodisíaco, antigamente conhecido como o “Arroz Proibido”, pois era consumido apenas pelo Imperador, cabendo a seus súditos somente a produção dos grãos.

Quais as vantagens do Arroz preto em comparação com o integral e o branco?

A grande diferença entre o arroz preto e os outros tipos de arroz é a presença elevada de compostos fenólicos, flavonóides e antocianinas, que são antioxidantes. Essas moléculas combatem os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento precoce e pelo aparecimento de doenças.

O arroz preto mantém sua película, geralmente retirada do arroz branco. Nessa película estão importantes vitaminas necessárias ao nosso organismo, como a vitamina A, B1, B2, B6, B12, niacina, ácido nicotínico, cobalto, ácido pantotênico, pró-vitaminas C e E. Também é rico em cálcio, magnésio, ferro e zinco.

O Arroz preto tem 20% a mais de proteína e 30% a mais de fibra, que o arroz integral.

Hoje o #MenuDoBebe por aqui fez sucesso! Para acompanhar o arroz, fiz salmão, batata e cenoura no forno, e tomatinho para salada! 


Os baixinhos por aí gostam? 


Bolinho de Atum


Bom dia!!!! Ontem fiz uma receitinhas tão delicia, tão fácil e fit por aqui que resolvi compartilhar! 

Bolinhos de atum!

Receita: 

2 latas de atum
1/2 Cebola (a da sua preferência)
Azeitonas à gosto 
Azeite de oliva
Sal 
1 xícara de farelo de aveia
Temperos a gosto

Misture tudo e faça bolinhas, coloque no forno até dourar em temperatura média.

Paracacompanhar, fiz molhinho de creme de ricota com mostarda. 

Ok ok, um vinho ali também foi acompanhamento! 

Espero que gostem! 

Crianças x Animais de Estimação

Oi gente! Tudo? Hoje vou falar aqui alguns dos benefícios de se ter um animal de estimação em casa. Quem tem sabe o quando a presença deles faz nossos dias mais especiais e o quanto são importantes pra família toda! Por aqui temos dois peludos! O Buddy e a Amora, que são os xodós do meu filho. Eles brincam, assistem tv juntos, ganham beijo de boa noite e aí por diante, é uma relação de muito amor.



Algumas pesquisas da Universidade de Melbourne – Austrália, já divulgada tempo atrás, apontaram que as crianças que tiveram algum tipo de animal até a idade de cinco anos, posteriormente se tornaram mais resistentes a algumas doenças. Enquanto isso, aquelas que não tiveram a experiência de ter um animalzinho de estimação, estavam mais propensas a desenvolver alergia e infecções de ordem respiratória. Outro estudo comprova que problemas respiratórios começam a se desenvolver na adolescência. O fato de respirar o pó de casinhas de cachorros e até pelos de gatos, demonstraram que o organismo humano desencadeia uma proteção natural conta o vírus RSV, responsável por diversas infecções e problemas respiratórios. 
Os peludos - ou cuscos - também prestam sua contribuição com o desenvolvimento social e emocional dos pequenos proprietários. Para uma convivência saudável, a criança deve ser ensinada a respeitar as necessidades, os limites e até a privacidade do animal. Entenderão que têm uma companhia para brincadeiras, horas alegres ou tristes, mas que não é como um brinquedo. Precisam de atenção, respeito e amor. E, convenhamos, quem ama os animais é muito capaz de amar e tende a estender esse sentimento à todas as formas de vida.

Conheça alguns benefícios que os animais podem trazer às crianças.


  • Responsabilidade
  • Relacionamento
  • Desenvolvimento físico
  • Saúde


Ter um animal requer cuidados e estes cuidados, orientados pelo adulto, estimulam a autonomia e a responsabilidade. Cuidar da limpeza do bichinho e do seu habitat, cuidar da sua alimentação, medicá-lo quando necessário, também favorece o desenvolvimento do vínculo afetivo e a lidar com os mais diversos sentimentos, da frustração à alegria e até a morte. E nesta relação entre a vida e a morte que o animal de estimação tem um papel muito importante, a criança aprende a lidar com a perda, com a dor.


A partir da convivência com animais, a criança aprende a se relacionar com as outras pessoas, desenvolvendo a sensibilidade, a observação, a compreensão e os sentimentos de solidariedade, generosidade, zelo, afeto, carinho e respeito.


Os animaizinhos também podem ser fortes aliados no desenvolvimento físico das crianças através de brincadeiras e exercícios. Os cães, por exemplo, exigem caminhadas diárias, isso pode incitar a criança a fazer passeios e jogos ao ar livre.


Além do afeto, os animais também podem produzir outros benefícios para a saúde. As terapias assistidas por animais são capazes de promover melhoras físicas, sociais, emocionais e cognitivas humanas. Os animais são indicados para pessoas com deficiências sensoriais (cegos e surdos), dificuldades de coordenação motora (ataxia), atrofias musculares, paralisia cerebral, autistas, portadores de Síndrome de Down, distúrbios comportamentais e outras afecções.


Biscoito de Polvilho - Receita


INGREDIENTES:
500 g de polvilho azedo
200 ml de água fervente
150 ml de óleo em temperatura ambiente
5 ovos sal a gosto

PREPARO:
Em uma vasilha acrescente o polvilho, a água fervente e o óleo, misture bem e acrescente o sal a gosto, somente por último o ovo, um de cada vez (deixe a massa na consistência que dê para armar as argolinhas, isto quer dizer, não muito mole). Coloque em uma manga de confeitar, ou saquinho para poder fazer argolas ou bolinhas. Deixe espaços entre os biscoitos, pois cresce bastante. E coloque para assar em forno preaquecido. Não precisa untar a forma.
Fonte: Tudo Gostoso

A Maternidade ❤️




Nós colocamos as crianças na cama, cobrimos até a altura do peito e conferimos se os pézinhos estão cobertos.

Nós juntamos brinquedos do chão, hoje, amanhã, e depois, sempre nos perguntando como conseguem fazer tanta bagunça.

Nós abrimos vidros de requeijão, raspamos todos os cantinhos do pote quase vazio, e passamos em torradas integrais para servir no café da manhã.

Nós esticamos as mãos, e pegamos no colo, permitindo que perninhas se entrelaçem nas nossas cinturas, enquanto secamos lágrimas e dizemos que vai ficar tudo bem.

Nós fazemos lições de casa, ensinamos subtração, e escrevemos inicias com canetinha em etiquetas de uniforme.

Nós sacudimos termômetros, e damos remédio com uma mão, enquanto usamos a outra mão para segurar o copo de água escondido atrás das costas.

Nós enchemos a banheira, lavamos bumbuns, e esfregamos bem para tirar todo o resto da pomada anti assadura que insiste em não sair.

Nós descascamos laranjas enquanto falamos no telefone, e sentimos mãozinhas agarrarem nossas pernas.

Nós viramos a noite, esquentamos bolsas de água quente, cantamos baixinho, e andamos na pontinha dos pés para não acordar mais ninguém.

Nós fazemos comida, assopramos, e abrimos nossa própria boca enquanto levamos o aviãozinho para o destino final.

Nós usamos a pontinha do dedo para balançar o dente que está mole, e penteamos cabelos embaraçados, segurando perto da raiz para não doer.

Nós ajoelhamos próximas ao vaso do banheiro, e com ambas as mãos seguramos uma criança que está com ânsia de vomito, enquanto repetimos que já já vai melhorar.

Nós secamos roupas de ballet e uniformes de futebol com secador, já que parecem nunca secar a tempo no dia da apresentação.

Nós usamos lápis de olho para fazer sardinhas e bigodes juninos, e colocamos gel, e fazemos tranças.

Nós passamos protetor solar com uma mão, e usamos todas as outras partes do corpo para segurar pessoinhas que querem fugir para a água.

Nós cortamos unhas, enquanto contamos histórias sem pé nem cabeça, tentando distrair a criança para que não puxe a mão.

Nós montamos árvores de natal, enchemos bexigas, e enrolamos docinhos.

Nós ajudamos a levantar, damos beijos analgésicos, enrolamos pedras de gelo em panos de prato, e aplicamos nos dodóis, que é para não inchar.

Nós amassamos bananas, lemos rótulos, e escondemos brócolis embaixo do arroz.
Nós levamos no oculista, no parque, na escola, e nas festinhas.

Nós ficamos na fila do brinquedo, do pronto socorro, da estréia do filme, e da sorveteria na praia.

Nós fazemos coisas que parecem simples. E provamos diariamente que o amor, o maior amor do mundo, mora mesmo é nas coisas simples.

Feliz dia das coisas simples, feliz dia do amor, feliz dia das mães.

Por Rafaela Carvalho. (Facebook: A Maternidade por Rafaela Carvalho)